sábado, 7 de fevereiro de 2009

OH DA GUARDA! SÓCRATES E O PS SÃO UM GRANDE TRAVESTI!

.

José Sócrates, primeiro-ministro e secretário-geral do Partido Socialista anda em campanha interna, anda ou faz que anda, se atentarmos que disso não tem necessidade. Já aqui referi que o sujeito está mais que de pedra e cal no partido e no país por conta dos situacionistas que Portugal tem.

Situacionistas que têm por mentalidade apoiarem os que os tramam à má-fila. Veja-se o caso dos emigrantes, por exemplo. Emigram porque a vida em Portugal está má, os ordenados são de miséria e o desemprego é mais que muito. Tal facto deve-se aos que governam e eles sabem-no. Os que governam são “manfios” do PSD e do PS, outros governos não temos conhecido. Mas os prezados emigrantes quando das eleições legislativas votam em quem? Digam lá, digam lá! Pois, claro, estejam emigrados onde estiverem, votam maioritariamente nos partidos políticos que os levaram a emigrar: PS e PSD.

Coitaditos que têm os miolos mais fritos que os passarinhos que às vezes petisco na tasca do Lobo, ali para a Madragoa.

Mas, voltando às voltas e reviravoltas de Sócrates em campanha interna-externa (o gajo sabe muito), disse ele na Guarda, ainda ontem pela noitinha, que o PS é de esquerda. Pois claro, compreendemos. O PS AGORA é de esquerda. Nas campanhas o PS é sempre de esquerda mas DEPOIS, a governar, é sempre ou quase sempre de direita!

O PS está um travesti cada vez mais ordinário! Mais descarado, mais rabicholas! Ora anda vestido à plebeu, ora se veste com fraque e cartola emprestada pelos endinheirados. Ora anda como nós, mal vestidos, quase nus e transparentes, ora mete umas mamas de silicone e manda-nos mamar ali porque não dá leite, estão secas, enquanto aos das cartolas dá-lhes boas mamas leitosas que sobram para uma casa de família. O que eles querem é mama da boa e um travesti político como Sócrates.

Contrariando a história de “O Rei Vai Nu” podemos dizer neste caso, de Sócrates e do actual PS, que “O Rei é um Híbrido” que os situacionistas, à espera de uma prometida maminha mais-ou-menos leitosa, elegem para seu maioral e nos obrigam a ter de o suportar. E que tal em vez deste travesti aldrabão – Deus te fadou algum defeito te achou – um António José Seguro? Não? Então, e no PS não há lá mais ninguém honesto, são todos assim como Sócrates? Olhem que há, e alguns!

Fiquem com as lôas de Sócrates na Guarda, AGORA travestido de esquerda e a acenar com mamas de silicone para todos que querem ser papalvos, os que o querem ser, porque só não sabe o que não vale Sócrates quem não estiver disposto a pensar um poucochinho.

Sócrates na Guarda

PS É “DA ESQUERDA MODERADA, NÃO DA ESQUERDA RADICAL”

O secretário-geral do PS, José Sócrates, afirmou sexta-feira na Guarda que a formação política que lidera é "o partido da esquerda democrática, da esquerda moderada, não da esquerda radical". - Lusa

José Sócrates falava durante a sessão de esclarecimento sobre a moção "PS: A força da mudança" que apresentará ao XVI congresso nacional do partido a realizar entre 27 de Fevereiro e 1 de Março, em Espinho.

Perante uma sala cheia de militantes e simpatizantes, o secretário-geral do PS referiu que se candidata, de novo, à liderança do partido "para fazer do PS aquilo que o PS tem a ambição de ser".

"Os portugueses conhecem-nos de há muitos anos. Sabem que nós somos o partido da esquerda democrática, da esquerda moderada, não da esquerda radical", afirmou.

Acrescentou que o PS também é "um grande partido popular, o partido do povo da esquerda democrática, não um partido de vanguarda, um partido que tem orgulho em ser um partido do povo da esquerda democrática e assim queremos continuar a ser".

O também primeiro-ministro frisou que o PS "é um partido forte, unido, aberto mas um partido responsável, que está aqui para governar o País, sempre em nome do interesse geral".

"Nós não governamos para nenhuma corporação, para nenhum sector. Nós governamos em nome daquilo que consideramos ser o interesse geral dos portugueses", afirmou.

Proposta do casamento entre homossexuais pouco aplaudida

José Sócrates, que falou durante 35 minutos, recordou algumas das medidas postas em prática pelo actual Governo e abordou questões que constam na moção que apresenta ao congresso.

Na sua intervenção, reafirmou que no congresso, vai propor ao partido a inclusão no programa eleitoral, do direito ao casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.

Referiu que há quem diga que "talvez não seja o momento" para este tema mas em sua opinião "todos os momentos são bons para lutar contra a discriminação". Justificou que a proposta é feita "em nome dos valores políticos de sempre do PS, em nome dos valores da liberdade, da tolerância e da dignidade individual".

Disse que "muitos" consideram que esta matéria apenas diz respeito a "uma minoria" no País mas opina que "é matéria de todos".

"Não tem a ver com a minoria nem com uma vitória da minoria. Esta matéria tem a ver com a sociedade portuguesa. Nós seremos uma melhor sociedade depois de vencermos esta discussão", defendeu.

"A vitória não será de uma minoria contra uma maioria, será a vitória de todos os portugueses, porque é assim que se contrói uma sociedade aberta, tolerante, livre e uma sociedade de homens livres e dignos", declarou.

Defesa da regionalização

Sócrates que falava num concelho do interior do País, também apontou que na sua moção defende a regionalização, assente na criação de cinco regiões administrativas e o aumento da eficiência no combate à fraude e à evasão fiscal.

O secretário-geral socialista também defendeu o aumento das medidas sociais, assinalando que "cada vez que o PS passa pelo Governo, as políticas sociais ficam mais fortes".

Recordou que o Governo que lidera criou, há já três anos, o complemento solidário para idosos, medida da qual beneficiam "quase 200 mil idosos" que deixaram "de ser pobres para viverem com o mínimo de dignidade".

"Podemos hoje ter orgulho naquilo que fizemos" porque "fomos capazes de arrancar da pobreza 200 mil pessoas", apontou.

O complemento solidário para idosos "foi talvez o maior instrumento de combate à pobreza que se fez em Portugal depois do 25 de Abril", admitiu o líder socialista.

José Sócrates foi recebido na Guarda pelo presidente da Federação Socialista José Albano Marques, que afirmou que no congresso, o Distrito estará "a cem por cento" com o secretário-geral.

Já o presidente da Câmara local, Joaquim Valente, referiu que apoia a reeleição de Sócrates porque o País "precisa de estabilidade" e "o PS e o nosso secretário-geral tudo fazem para o desenvolvimento" de Portugal.
.

2 comentários:

Anónimo disse...

O que se aproveita na foto sao os lacos encarnados, da cor do meu Benfica.
O monte da Francisca esta a fazer progressos nos fins de semana!

Um abraco

Le Mau Dick

Margarida disse...

A imagem do Kaos é excelente como aliás é característica dele.

Boa note ...