terça-feira, 19 de agosto de 2008

PENITÊNCIA DO DESMAZELO

.

VAMOS NESSA!
.
Alguns amigos me têm perguntado porque não dou mais atenção a este blogue, chegando mesmo a perguntar o que é que eu tenho contra ele. Nada. Nadinha.
A verdade é que a participação que tenho na Fábrica dos Blogs, no Timor Lorosae Nação e no Página Um, me roubam o tempo que considero necessário para dispensar a devida atenção a este Página Lusófona. Também é verdade que prefiro participar mais em colectivo e menos em coisas individuais.
Não que os projectos pessoais não me dêem gozo. Ao longo da minha vida aconteceu isso algumas vezes. Mas prefiro trabalhar em equipa. Facto que talvez se deva a deformação profissional.
.
Trabalhar em equipa pode permitir abraçarmos projectos maiores, mais complexos, mais perfeitos e que melhor satisfaçam os que desses projectos possam usufruir. Para além disso é muito bom "trabalhar para o monte" porque nos sentimos sempre acompanhados e as próprias divergências que possam existir - há quase sempre - são uma mola impulsionadora de podermos fazer diferente e melhor.
.
Aos amigos que me escrevem e solicitam que dedique mais tempo a este blogue agradeço a atenção e aqui deixo a explicação deste meu desmazelo relativamente ao Página Lusófona, disso me penitencio, esperando que compreendam as razões que aleguei.
Terei maior cuidado em não deixar passar tanto tempo sem aqui vir e postar uma prosa que até nem esteja relacionada com Timor mas sim aquilo a que alguns chamam "o nosso mundo": Portugal e as pessoas, Portugal e os políticos, Portugal e os fracassos, Portugal com as suas venturas e desventuras.
Vamos nessa!
.

1 comentário:

Evandro disse...

Prezado Sr. António, cordiais saudações!
Me chamo Evandro, sou brasileiro e estudante de Letras.
Conheci o seu blogue por acaso, e o achei muito interessante, ainda mais porque é originário da Ásia, alvo primeiro da Terra Mãe Portugal.
Se por acaso se interessar, gostaria de convidá-lo a visitar o meu blogue, "O Multiluso" - www.omultiluso.blogspot.com -, que se refere às diversas temáticas da Língua Portuguesa e à obra do colonialismo lusitano pelo mundo.
No mais, um abraço.