terça-feira, 29 de setembro de 2009

Eleições - SÓ METADE DE PORTUGAL PASSOU PROCURAÇÕES AOS VIGARISTAS

.

Eles assobiam para o lado
METADE DOS ELEITORES PORTUGUESES NÃO QUEREM VIGARISTAS NA AR

O Sócrates ganhou? Não vi nada disso. Todos perderam apoios eleitorais em número, excepto o BE e o CDS, o PCP também, acho. Este método de Hondt é mesmo para baralhar e ficarem os “convenientes” por lá.

Pergunto onde está a democracia? Onde está na AR a representação dos Abstencionistas? E dos que optaram por votar em branco ou nulo inutilizando o voto? Esses lugares não deviam ficar vazios? Os que assim fizeram foi por opção política, não querem lá aldrabões e sacanagem, porque não ficam as cadeiras vazias? Eram quase 50 por cento dos lugares...

Não lhes convém, nem sequer enfrentam essa realidade. Porque havemos de ver os lugares que praticamente representam metade dos eleitores portugueses serem ocupados na mesma pelos aldrabões do costume? Democracia onde? Democracia porque adoptaram um método vígaro? Ora, e não são vigaristas? Há os que não são? Quais, quem, onde? Que se revelem tomando atitudes sem ambiguidades. Onde estão esses?

Também, se não fosse para lá o Sócrates ainda seria pior se fosse a Dama de Lata. O PSD também é o que se sabe, não interessa. Mas quais são os que interessam? Já vimos algum daqueles deputados propor para que lhes reduzam as mordomias, que lhes reduzam o que recebem, que lhes aumentem o tempo de reforma para a lei geral, como nós... Já vimos algum fazê-lo? Não aceitar as mordomias? Vimos algum destes deputados ser sério nisso, honesto, consciente, e fazer isso?

Não tenho ideia de tal.

Por opção, quem vota em branco, quem se abstém, ou quem inutiliza o voto, é porque não quer ser representado pela actual sacanagem, não lhes reconhece qualidades para que sejam eleitos. Porque razão é que esses lugares não são suprimidos e as cadeiras ficam vazias? Porque é que as acções de rejeição e de declarada desconfiança revertem para toda aquela escumalha? Democracia?
.

1 comentário:

luis disse...

meu caro António se eleicoes mudassem algo já estavam proibidas ao tempo...